BARDO, Falsa Crónica de Umas Quantas Verdades - 5 estrelas

BARDO, Falsa Crónica de Umas Quantas Verdades: Iñárritu a ser Iñárritu

5 estrelas Críticas

O realizador Alejandro González Iñárritu não é somente um realizador. Neste seu último filme, “BARDO, Falsa Crónica de Umas Quantas Verdades”, Iñárritu não só realizou como produziu, editou, co-escreveu e co-compôs, e fez tudo isto de forma brilhante. Quando se tenta fazer tanta coisa num único filme percebemos que, por norma, essa história contém em si um laço muito forte e pessoal com quem a está a desenvolver e criar, o que é o caso deste ‘BARDO‘.

Iñárritu tem uma filmografia bastante invejável, com títulos como “Amor Cão“, “21 Gramas“, “Babel“, “Biutiful“, “Birdman” ou “The Revenant: O Renascido“, à qual se junta agora esta sua última obra, que está disponível para streaming na plataforma Netflix.

‘BARDO’ segue uma viagem louca e muitas vezes imaginária de uma personagem que poderá ter muitas parecenças e ligações intelectuais e de carreira com o próprio realizador, mas essa parte nem é, a meu ver, a mais interessante do que está aqui representado. Nós enquanto público conseguimos ser transportados para este mundo e para o dia-a-dia destas personagens e das suas vivenças, em que cada momento de história, por assim dizer, dá um passo em frente na narrativa principal, e é realizado com a personagem principal a ser confrontada com pessoas ou momentos históricos, mais ou menos importantes para a sua vida, mas que são sempre relevantes e levantam sempre mais uma camada de sentimentos e emoções que a personagem principal atravessa, e nós somos levados nessa viagem de uma forma bastante inteligente e bonita. É daqueles filmes que é impossível não pensarmos nele depois de o ver.

Tudo aqui mostra um trabalho exímio de todos os participantes, desde o elenco a todas as componentes técnicas, revelando no seu todo um grande respeito e dedicação à sétima arte, e que acredito que vá ser um marco no cinema contemporâneo, que talvez ainda não seja visto como tal, mas tem tantas camadas e sub-camadas, para descobrir e redescobrir com uma nova visita a este filme, que sem dúvida alguma que recomendo este filme, assim como é para mim um dos melhores filmes deste ano.

Classificação: 5 em 5 estrelas. Texto escrito por André Marques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *