Porquinha - 4 estrelas

Porquinha: o terror no bullying e o terror do bullying

4 estrelas Críticas

O filme “Porquinha” é uma extensão da curta-metragem homónima realizada em 2018 pela mesma realizadora, Carlota Pereda. A narrativa é bastante directa, sem perder tempo em grandes rodeios, e sabemos quase perfeitamente para onde o filme está a encaminhar-nos, e é nessa previsibilidade que o filme perde em certos momentos o seu interesse, mas a sua premissa e a forma como aborda temas como o bullying e a família conseguem ter uma perspectiva feroz e única.

A partir deste ponto irei revelar alguns spoilers deste filme, portanto deixo desde já aqui o aviso. Eu julgava que o filme encaminhava-se para uma narrativa de uma vingança violenta, tendo por base o crescendo do bullying e do que os primeiros minutos do filme fazem-nos crer, algo talvez num estilo tipo “Kill Bill“, mas no final não é isso que acontece, sendo que a personagem principal, que é alvo de diversos ataques ao longo do filme, acaba por perdoar e salvar as suas ‘inimigas’, fazendo com que a sua personagem recaia numa narrativa de redenção e de salvamento, não se desviando para um caminho mais tenebroso. Pessoalmente gostava de ter visto um final diferente, com uma crueldade tal que faria colocar-nos em questão ao pensarmos se aquele foi um caminho justo ou não, principalmente por se tratarem de adolescentes.

Contudo este filme conta, sem dúvida, uma história interessante e tem uma abordagem certamente própria e única, dentro de um género de terror que já está repleto de histórias semelhantes, mas tendo este “Porquinha” o seu próprio espaço e interesse. De realçar também que se trata de um filme espanhol, e que traz para o público português muitas semelhanças com o nosso país e cultura, principalmente em regiões mais interiores e o ambiente que se vive nos meses de maior calor.

“Porquinha” estreia já neste dia 19 de Janeiro, em exclusivo no Cinema Fernando Lopes (Lisboa), na Casa do Cinema de Coimbra e online na plataforma de streaming Filmin Portugal.

Classificação: 4 em 5 estrelas. Texto escrito por André Marques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *