A Vida Dura Muito Pouco: o mito de José Pinhal

4 estrelas Cinema Português Críticas
No virar do século, duas cassetes são encontradas num antigo estúdio. Nada se sabendo sobre o artista, a sua música é tocada em festas e difundida pela internet. Quase vinte anos mais tarde, José Pinhal, um desconhecido cantor de Matosinhos, torna-se num dos grandes mitos da música popular portuguesa.
“A Vida Dura Muito Pouco” é uma curta-metragem documental que conta a história de José Pinhal e de como a sua música se tornou um fenómeno de culto. Começa em 2000, quando Paulo Cunha Martins encontra duas cassetes e as decide reproduzir em festas de amigos, até culminar com a criação de um tributo ao artista, José Pinhal Post Mortem Experience, que atuou nas festas de S. João do Porto em frente a centenas de fãs. O filme está disponível para streaming na plataforma Filmin Portugal.
Este trabalho não é somente uma história cativante e interessante, como também um marco para a música popular portuguesa, que julgo ser sempre uma parte da cultura portuguesa que é relegada para segundo plano não só no meio musical como também se estenderá para o meio do cinema certamente. Digo isto porque qualquer história e curiosidade ou fenómeno cultural é sempre interessante, na minha opinião, e o género documental serve em certa medida para relatar e documentar partes da sociedade e da cultura, ou certa época, e daí eu considerar como um dos tipos de cinema mais importantes, pelo impacto que tem.
Este filme tem a sua importância e despertou em mim a curiosidade para saber quem é José Pinhal e ir à procura da sua música, e fiquei admirado pelo facto de existir uma ligação instantânea às suas músicas e ao seu estilo e a música que dá o título a este documentário é sem dúvida uma composição com bastante valor. O que aqui pode falhar é o factor curta-metragem, cujo formato não dá tempo para explorar melhor esta história, mas por outro lado o filme não é de nenhuma forma apressado o que conta bastante a seu favor.
Fica aqui um bom registo, uma memória para todos os envolvidos e para as pessoas que estiveram mais próximas de José Pinhal, da sua vida e da sua obra. Porque a vida dura mesmo muito pouco e todos os momentos marcantes são certamente para registar e recordar. Certamente que mais tesouros como estes andam por aí e histórias por descobrir, e felizmente vivemos numa altura em que é possível chegar mais facilmente a estes conteúdos.
Classificação: 4 em 5 estrelas. Texto escrito por André Marques.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *